Sejam bem-vindos ao Felicity Jones Brasil! Sua fonte brasileira sobre a atriz britânica Felicity Jones. Aqui você encontrará todas as notícias da carreira da Felicity, além de fotos, vídeos, entrevistas, entre outros. Esperamos que goste de nosso trabalho e volte sempre!

anúncio da hospedagem
Felicity e Shailene Woodley concedem entrevista sobre ‘The Last Letter From Your Lover’ para a EW
06.01.2021

ENTERTAINMENT WEEKLY: Se 2020 foi o ano das ligações de Zoom, 2021 poderia ser o momento de retornar à escrita de cartas tradicional? O romance de Felicity Jones e Shailene Woodley da Netflix pode fazer você se sentir inspirado a colocar a caneta no papel.

Adaptado de ‘The Last Letter From Your Lover‘, um romance de Jojo Moyes (também conhecida por escrever ‘Como Eu Era Antes de Você), o próximo drama de narrativa dupla se passa em duas épocas diferentes, seguindo as vidas e amores de Jennifer Stirling (Woodley, ‘Pequenas Grandes Mentiras‘), uma mulher americana que viveu em Londres dos anos 1960 e a jornalista londrina contemporânea Ellie Haworth (Jones, ‘A Teoria de Tudo‘). Embora com décadas de diferença de idade, as vidas das duas mulheres estão entrelaçadas quando Ellie se depara com algumas cartas de amor dolorosamente bonitas endereçadas a Jennifer nos arquivos do jornal onde ela trabalha.

Cartas de amor perdidas que viriam à tona décadas depois podem soar como material para uma visão excessivamente sentimental, mas Jones – que estava ansiosa para trabalhar em um projeto com a romancista Moyes por algum tempo – ficou encantada com o romance da história, mas sem “sentimentalismo“. “No momento em que recebi o roteiro, as estrelas simplesmente se alinharam”, disse ela à EW. “Eu gostei de como era humano; foi apenas uma resposta imediata. Foi muito divertido, além de ser bastante emocional.

Quando Woodley entrou no projeto mais tarde, foi a chance de trabalhar com a diretora Augustine Frizzell (‘Never Goin’ Back‘, ‘Euphoria‘) que a deixou pronta para assinar, sem perguntas. “Antes mesmo de ler o roteiro, estava inclinada a dizer sim”, diz ela. “Eu estava realmente querendo trabalhar com Augustine e simplesmente a amava como um ser humano… Então eu li o roteiro e foi muito bem executado – não sinto que muitos filmes sejam contados dessa forma e também executados de uma forma totalmente divertida e inteligente.

Além do material de origem e da diretora, Jones e Woodley se viram atraídas por uma história de mulheres descobrindo as suas identidades e acertando as contas com as decisões românticas de vida que tomaram. “Você testemunha a jornada de uma mulher em como ela escolhe viver a sua vida“, diz Woodley, cuja personagem, Jennifer, se apaixona pelo problemático jornalista Anthony O’Hare (Callum Turner, ‘Animais Fantásticos e Onde Habitam‘) enquanto é casada com um amedrontador rico, mas frio Laurence Stirling (Joe Alwyn, ‘A Favorita‘). “Você reconhece as lutas que surgem em ser mulher, especificamente naquela época, tomar decisões por si mesma e escolher um caminho que talvez não seja o mais conhecido, mas é o mais gratificante. Não há muitos histórias sobre mulheres que tomam decisões por si mesmas, embora haja sérias consequências e repercussões.

Da mesma forma, Jones gostou da “investigação das mulheres apaixonadas” e de ver a justaposição da história contemporânea com uma história dos anos 60. “Com Ellie, ela é alguém que passou por momentos difíceis em um relacionamento anterior e perdeu a esperança no amor, mesmo existindo“, diz Jones sobre sua personagem. “Quando ela se depara com essas cartas sobre um amor completamente descarado e apaixonado, realmente começa a fazê-la sentir que talvez haja esperança e uma possibilidade de conexão verdadeira, mas é feito de uma forma muito simples e sincera.” Algo mais de que ela gostou em sua personagem? “Adorei a ideia de que ela está sempre com um pouco de ressaca“, diz ela rindo. Relatável.

Embora as jornadas das mulheres sejam o foco da história, os homens ao redor também têm os seus próprios caminhos irregulares para percorrer, e quando se tratava de escalar, foi evitando a escolha óbvia que animava os personagens e acrescentava dimensão. “Joe é um ser humano naturalmente gentil, caloroso e acolhedor“, diz Woodley de Alwyn, que interpreta o seu marido insensível, chauvinista e desdenhoso. “Eu sempre gosto de quando o elenco me surpreende um pouco e coloca os atores em papéis que você não necessariamente presumiria que eles ocupariam.” Embora cada relacionamento de Jennifer com os dois homens seja muito diferente, Woodley descobriu que naturalmente tinha química com cada um. “Trabalhar com Joe e Calum [Turner] foi incrível”, diz ela. “A coisa bonita sobre o que fazemos é quando você tem aqueles raros momentos em que você tem energia cinética natural com alguém. Não há muito que você tenha que fazer como ator, porque você pode se apoiar e confiar fortemente em qualquer coisa de eletricidade que está acontecendo entre vocês dois. Eu me senti assim com os dois. Tive muita, muita sorte de me estabelecer na energia natural que existia e então deixar os personagens se desenvolverem dentro da essência disso.

Enquanto Jennifer estava ocupada nos anos 60 com um marido e amante, nos dias atuais Ellie se aproxima do arquivista do jornal, ajudando-a a vasculhar a biblioteca, interpretado por Nabhaan Rizwan (‘1917‘). Assim como Woodley, Jones descobriu que tinha um relacionamento natural com o seu co-ator. “Nabhaan é apenas uma alegria“, diz Jones. “Ele é muito, muito engraçado na vida real e traz muita facilidade para as suas performances. Lembro-me de pensar imediatamente que ele era incrivelmente naturalista e tinha simplicidade em suas atuações.

Cartas de amor e complicações à parte, os fãs do livro estarão ansiosos para ver o guarda-roupa de Jennifer. Como o romance conta, ela tem um armário no estilo de Nárnia com vestidos, chapéus e saltos luxuosos. A produção trouxe a especialista em roupas de época, a figurinista Anna Robbins (‘Downton Abbey‘) para levar esses looks da página para a tela. “Houve muita colaboração no que diz respeito ao guarda-roupa de Jennifer e ela se expressa quando se trata de moda”, diz Woodley. “As roupas dela refletem a trajetória e a mudança que você vê nela ao longo da história, conforme ela se torna mais confortável consigo mesma, então nós realmente nos apoiamos nesse aspecto. E apenas do ponto de vista pessoal, depois que o filme foi feito, eu pensei, ‘Então eu consigo ficar com tudo isso, certo? Os chapéus, as luvas, tudo isso?’ Foi só um sonho. No final, consegui ficar com um dos vestidos de baile e alguns chapéus.

Ambas as atrizes – que também atuam como produtoras executivas do filme – esperam que, apesar do atual estado de isolamento do mundo, o filme possa lembrar as pessoas de como qualquer forma de comunicação pode ser gratificante. “Acho que será um filme muito edificante e agradável de assistir, que tirará a mente de momentos muito difíceis“, diz Jones.

Então, as estrelas vão se despedir do Zoom e, em vez disso, escrever cartas para alcançar aquele senso de conexão humana? “Na verdade, me apaixonei por um de meus ex-namorados por meio de cartas”, diz Woodley. “Elas são uma parte tão grande do meu mundo. Eu escrevo uma ou duas por semana. Então, quando eu li o roteiro, parecia uma ode a romântica desesperada dentro de mim.” Jones não é uma correspondente tão comprometida. “Eu tenho aquela pressão interminável de cartas de agradecimento que às vezes estou cerca de dois anos para escrever – eventualmente eu dou atenção a elas” ela diz, embora concorde, “não há nada melhor do que ver uma carta chegando. Acho que o filme será um ótimo antídoto para tudo se tornar tão virtual durante a pandemia e se mais pessoas acabarem colocando a caneta no papel este ano, isso é adorável.

The Last Letter From Your Lover‘ chegará à caixa de correio da Netflix ainda este ano.

image~2.jpg image~2.jpg image~2.jpg image~2.jpg

INICIO > FILMES I MOVIES > LAST LETTER FROM YOUR LOVER (2021) > STILLS

Felicity sobre o seu novo filme ‘O Céu da Meia-Noite’ e ter um bebê durante a pandemia
13.12.2020

THE SUNDAY TIMES STYLE: É uma daquelas conversas temidas. Você acabou de começar o emprego dos seus sonhos quando descobre que está grávida. Como você conta ao seu novo chefe? Foi o que aconteceu com a atriz Felicity Jones, que interpretou o papel da astronauta Sully em ‘O Céu da Meia-Noite‘, filme estrelado e dirigido por George Clooney. A produção já havia começado quando Jones teve que fazer a ligação.

Acho que devo ter contado a George Clooney que estava grávida antes de contar a alguns de meus amigos e familiares”, diz Jones pelo Zoom, sentada em um quarto no andar de cima de sua casa com terraço em Londres, no final de uma tarde escura de sexta-feira. “Mas George estava muito determinado a me manter no filme, e quanto mais explorávamos isso, mais parecia certo incluir a gravidez como parte da história. Foi muito bom poder interpretar o que estava acontecendo comigo pessoalmente, além de interpretar a personagem. George era muito moderno em sua abordagem e, na verdade, bastante revolucionário por não querer esconder isso. No final, foi uma maneira muito mais legal de navegar pela história.

O Céu da Meia-Noite‘ é uma ópera espacial do fim dos dias ambientada em um futuro próximo. A personagem de Jones faz parte de uma tripulação que comanda a última nave no espaço, voltando para casa depois de investigar o potencial de outro planeta para sustentar a vida. Enquanto isso, de volta à Terra, um evento apocalíptico parece ter matado a maioria das pessoas, exceto Clooney. A vida e a arte se cruzaram de maneiras perturbadoras durante as filmagens, o isolamento e a alegria do set – “George é ainda mais legal e engraçado do que você esperaria”, diz Jones. “Ele é muito honesto, muito direto, muito pouco vaidoso, muito inteligente” – contrastando com as notícias sobre a disseminação da Covid-19 na China. “Logo após as filmagens, fomos trancados. Era tão estranho estar atuando algo e então, dentro de semanas, passando por isso na realidade. Lembro-me de pensar, prefiro muito mais fingir.” Além disso, Jones deu à luz seu filho em abril, quando as mortes e internações hospitalares atingiram o seu (primeiro) pico no Reino Unido. “Ter um bebê em um momento apocalíptico é muito assustador”, ela admite.

Jones, 37, foi criada em Bournville, nos arredores de Birmingham. Seus pais se divorciaram quando ela tinha três anos e a sua mãe era “uma hippie. Era a época da Body Shop e ela acreditava muito em fazer a sua própria diversão, brincando ao ar livre, usando a sua imaginação, ao invés de ficar parada na frente da televisão.” Não havia nenhum reprodutor de vídeo em casa, então Jones e o seu irmão mais velho, Alex, passaram muito tempo no multiplex local assistindo aos sucessos de bilheteria dos anos noventa. “Mas o meu tio Michael Hadley, que morreu recentemente, era ator, então costumávamos vê-lo no teatro, em coisas como Ibsen e Shakespeare. Tivemos a educação cultural completa de alto-baixo.

Jones trabalhava como atriz profissional desde os 12 anos, em séries infantis de TV e filmes como ‘The Treasure Seekers‘, que também estrelou a igualmente jovem Keira Knightley. Aos 15, ela interpretou Emma Grundy (nascida Carter) na série da Radio 4 ‘The Archers‘, que ela continuou a fazer enquanto estudava inglês no Wadham College, Oxford – entre ler Virginia Woolf, participar de produções teatrais de estudantes e viagens a Londres para passar as noites na Discoteca Fabric. A falta de educação em uma escola de teatro não impediu a ascensão de Jones; a sua carreira abrange de tudo, desde (numerosos) dramas de época e um filme sobre snowboard ‘A Menina do Chalé‘ a franquias de sucesso como o spin-off de Star Wars, ‘Rogue One‘. Jones também foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz por sua interpretação de Jane Hawking em ‘A Teoria de Tudo‘. Eddie Redmayne, que interpretou Stephen Hawking no filme, também estrelou ao lado de Jones no drama de ação em balões de ar quente do ano passado, ‘Os Aeronautas‘, é extravagante em seus elogios. “Ela é uma ótima amiga. Uma pessoa maravilhosa, incrível e uma atriz formidável”, diz ele. “Estou feliz que o suborno está valendo a pena!” ela diz quando eu digo a ela.

Os trabalhos que Jones escolhe tendem a ser de lutadoras, rebeldes e pioneiras. Um de seus papéis definitivos foi o de Ruth Bader Ginsburg, a falecida juíza associada da Suprema Corte dos Estados Unidos, que Jones interpretou quando jovem em ‘Suprema‘. Elas se tornaram amigas durante a realização do filme. “Ela era muito aberta e muito vulnerável comigo e isso é muito especial para alguém que parece bastante assustador por fora.” Jones descreve a morte de Ginsburg em setembro como “um grande choque. Eu li no meu telefone… fiquei sem fôlego. Você não percebe o quanto está prendendo alguém. Eu sempre volto a pensar no que ela faria em certas situações e como ela lidaria com elas. É notável a maneira como ela conseguiu fazer mudanças tão grandes na história e apenas o fez com coragem, determinação e perseverança sem buscar qualquer glória pessoal.

Suprema‘ examina a igualdade de gênero em casa, bem como no mundo em geral, particularmente a relação entre Ginsburg e o seu marido, Martin. Jones casou-se com Charles Guard, um cineasta britânico que conheceu em Los Angeles, no Castelo Sudeley, em Cotswolds, em 2018. Ela não diz quem faz o quê na casa (ela é adepta de desviar de perguntas que ficam muito pessoais, como o nome do filho dela), mas, para ser honesta, parece que o casal não teve tempo para um bate-papo sobre igualdade de gênero. “Criar um filho é apenas uma montanha-russa de fadiga, celebrando que você passou cada dia por volta das 19h05, e então percebendo que você tem que viver toda a sua vida entre 7h e 10h30”, ela diz.

Apesar dos desafios, ter um bebê confinado não foi tão ruim. “Meu marido e eu temos chamado de bloqueio duplo. Você é praticamente removido do mundo de qualquer maneira nos primeiros meses. E pelo menos não tenho que sentir que estou perdendo.” Em uma tentativa de abraçar totalmente esse momento de pausa comunitária, Jones está lendo um livro sobre Hygge. “É a teoria dinamarquesa de conforto. É uma doutrina de desfrutar o comum, e isso parece muito apropriado.” Assim como o resto de nós, ela tem feito pão de banana – “Queimei três pães” – e malhado na sala com os seus mini pesos, ouvindo Lizzoe um pouco de drum’n’bass saudade dos meus tempos de estudante”. Ela, no entanto, começou a pensar em ter um pouco mais de variação em sua vida além de seu G&T às 19h (“Cotswolds Gin, eu recomendo muito”) e as calças de treino e os moletons largos que ela tem usado nos últimos seis meses. “Estou realmente pronta para algumas festas malucas. Estou até pensando na possibilidade de usar jeans novamente.

Não haverá premiere de ‘O Céu da Meia-Noite‘ e provavelmente não haverá para o próximo filme de Jones, ‘A Última Carta de Amor‘, uma adaptação de um romance de Jojo Moyes coestrelado por Shailene Woodley que será lançado em 2021, quando então, com sorte, os cinemas estarão abertos mais uma vez. “Acho que o teatro e o cinema vão voltar com força total”, diz Jones. “Estaremos almejando por atividades em grupo e comunidade. Eu sei que não posso esperar por isso.

O Céu da Meia-Noite‘ está em cinemas selecionados agora e será lançado na Netflix em 23 de dezembro.

INICIO > ENSAIOS FOTOGRÁFICOS I PHOTOSHOOTS > 2020 > THE SUNDAY TIMES STYLE [13 DE DEZEMBRO]

F01.jpg F02.jpg F03.jpg F04.jpg

INICIO > SCANS I MAGAZINE SCANS > 2020 > THE SUNDAY TIMES STYLE [13 DE DEZEMBRO]

Eo9bMCqWMAMPNDB.jpg Eo9bMCqWMAMPNDB.jpg Eo9bMCqWMAMPNDB.jpg Eo9bMCqWMAMPNDB.jpg

Felicity sobre filmar ‘O Céu da Meia-Noite’ grávida, o seu tempo com RBG e futuro no universo de ‘Star Wars’
07.11.2020
  • O diretor George Clooney não apenas insistiu que a atriz permanecesse como a astronauta abandonada do filme, Sully, ele trabalhou a sua gravidez no roteiro.

Em 2017, Felicity Jones estava se preparando para estrelar como Ruth Bader Ginsburg no filme ‘Suprema‘ quando voou para Washington para um encontro individual com a icônica juíza da Suprema Corte, visitando o seu escritório e até mesmo o mais íntimo recanto de sua casa.

Lembro-me dela me mostrando a sua coleção de luvas e golas em seu guarda-roupa”, diz Jones. “Ela foi extraordinariamente aberta comigo em termos de compartilhar fotos antigas e muito franca sobre as suas experiências, o que obviamente foi muito útil para interpretá-la.

Jones, que se tornou mãe pela primeira vez na mesma época que Ginsburg faleceu em setembro, agora se apega à memória do tempo que passaram juntos, mantendo uma foto da pioneira jurídica em seu escritório.

Com o seu último filme, ‘O Céu da Meia-Noite‘, a atriz britânica deu início a algo inovador – filmar o filme de ficção científica dirigido por George Clooney durante a gravidez. Durante décadas, em Hollywood, uma barriguinha de bebê normalmente significava ser expulsa de um filme. Mas Clooney não apenas insistiu que a atriz indicada ao Oscar permanecesse como a astronauta abandonada do filme, Sully, ele trabalhou a gravidez no roteiro pós-apocalíptico. Jones atendeu a uma ligação da Zoom para discutir o filme, que a Netflix lança em 23 de dezembro, sobre cenas de ação enquanto estava com uma criança dentro dela, lutar por paridade salarial e o futuro de Jyn Erso no universo de ‘Star Wars‘.

Como você está enfrentando a quarentena?

Eu estou em Londres. Bem, eu tive um bebê, o que foi um desafio interessante no início do confinamento no Reino Unido, então isso trouxe um pouco mais de pressão. Agora estou passando muito tempo dentro de casa. Assisti muito ‘Emily em Paris’ recentemente, o que foi muito divertido, me lembrou dos dias de ‘Sex and the City’, e só pego filmes que não vejo há muito tempo, assistindo [La Femme] ‘Nikita’, filme de Luc Besson de muito tempo atrás. Então, de certa forma, é muito bom assistir alguns filmes que não vejo há anos.

Qual foi o seu momento mais memorável com a RBG?

Provavelmente sentada e bebendo café em seu apartamento porque ela é uma grande bebedora de café, o que eu acho que a ajudou a passar aquelas longas horas olhando caixas. Então, simplesmente sentar com ela em seu sofá em seu apartamento e depois viajar com ela em seu carro. Saímos para jantar naquela noite. Eu acho que era o quão vulnerável ela era comigo e a confiança que ela tinha que vai ficar comigo. Ela esteve muito envolvida no processo de fazer o filme e viu todos os rascunhos e, portanto, tinha um conhecimento íntimo, obviamente, do que estávamos fazendo e por isso foi uma grande apoiadora.

Qual é a sua opinião pessoal em relação ao legado dela?

Tenho a foto dela em meu escritório para me lembrar da maneira como ela abordava as coisas, a inteligência com que abordava situações difíceis e que encontrou uma forma de aproximar as pessoas. Ela não polarizou as pessoas, e acho que é isso que é tão importante que as pessoas se lembrem agora. Ela encontrou uma maneira através de sua articulação de reduzir o conflito e fazer o que ela estava dizendo apenas parecer senso comum. Sempre penso nisso sempre que estou em situações complexas ou difíceis. Depois volto à maneira racional com que ela abordava as coisas. E deve ter havido momentos em que ela só queria perder o controle e enlouquecer e dizer: “Isso é ridículo.” Mas a forma como ela conseguiu causar uma abordagem tão persistente, mas em última análise, conciliatória e amigável foi notável. Ela jogou um jogo longo, que admiro profundamente.

O que a atraiu nesse papel de Sully em ‘O Céu da Meia-Noite’?

Respondi imediatamente ao roteiro quando o li. Fiquei muito emocionada com os temas do filme. O filme é sobre como tentar se conectar – alguém na Terra tentando se conectar com uma nave espacial flutuando no éter. Mas também é sobre o que tem significado para nós e o que é importante em nossas vidas porque no filme, os personagens que vemos têm muito tempo disponível, o que os força a refletir sobre o que é importante para eles. Curiosamente, isso apelou antes de sermos arremessados ​​para esta situação nestes tempos de COVID. E atraiu porque acho que era muito sobre o momento moderno em que nos encontramos com o aumento da tecnologia. O que significa realmente conectar? O que isso realmente valoriza? E eu sinto que essas questões ficaram ainda mais intensas com a pandemia, então o filme tem se tornado cada vez mais relevante ao longo do ano, o que é notável. É inacreditável. A vida está definitivamente imitando a arte.

Como foi a experiência com a Netflix? Há alguma diferença em saber que seu desempenho será visto principalmente em telas pequenas?

A forma como algo é visto não afeta o processo de filmagem. Descobri que eles são excelentes em permitir que as pessoas façam o que são boas em fazer. Acho que é tão brilhante trabalhar com eles é que eles realmente confiam nas pessoas com quem trabalham. E eles tornam o nosso trabalho muito fácil. É nessa pandemia que nos encontramos e, obviamente, as pessoas estão assistindo muito mais online. Como atriz, é fantástico que as pessoas ainda possam continuar assistindo histórias, e isso é o principal.

Houve alguma hesitação ou resistência em continuar no papel depois que você engravidou?

Não. Foi um processo bastante orgânico. Em muitos aspectos, o fato de estar grávida intensificou a minha conexão com Sully e tornou ainda mais urgente fazer um filme sobre como lidar com o fim do mundo. E George foi inflexível em querer que eu interpretasse o papel, então ele foi incrível em adaptar algumas sequências. Houve certas sequências de acrobacias que ele fez uma pequena alteração para torná-las o mais seguras possível para mim. Então eu tive o luxo de poder sentar em muitas das minhas acrobacias, o que foi muito bom. Quando começamos a filmar, o plano era fazer a CGI do galo, e Sully não estaria grávida. E então, quando começamos a filmar, George estava observando os juncos e veio até mim e disse: “Acho que isso poderia ser ainda melhor para a narrativa se Sully estivesse grávida”. E parecia certo. Existem apenas alguns casos em que as mulheres conseguem engravidar em um drama. Portanto, parecia bastante revolucionário e uma prova para George que ele foi capaz de se adaptar dessa forma. É isso que torna este projeto tão especial. É verdadeiramente pioneiro porque [minha gravidez] sempre foi vista por George como um acréscimo e não algo a temer.

Houve alguma manobra particular que se mostrou mais desafiadora por causa da gravidez?

Não. Na verdade, tudo era muito fluido. Tivemos muito tempo de preparação e muito ensaio, e foi realmente muito emocionante estar grávida em um traje espacial. Foi uma experiência muito legal que poderei contar ao meu filho/a minha filha no futuro. Há uma sequência na nave no meio do filme em que estamos fora da nave e nos movemos para dentro da nave, não quero revelar muito. Mas fui capaz de fazer isso sentada em um assento em um guindaste, em um braço, que era uma posição agradável, confortável e segura para se estar. Houve outra sequência em que havia um assento especial projetado. É incrível o que a magia do cinema pode fazer que você nunca saberia que eu não estava realmente flutuando no espaço com um solavanco.

Você tem falado muito sobre a paridade salarial. Você já passou por uma situação em que recebia menos do que o seu colega de elenco?

Não. Tive muita sorte nessa frente. Sempre me senti tratada de forma justa a esse respeito e sempre achei uma transparência e me senti bem paga pelo que estou fazendo. Mas certamente não é o caso para todas.

Você tem a sensação de que está ficando melhor em Hollywood?

Acho que os tempos estão mudando tão rapidamente. Acho que estamos em um momento em que não podemos mais ser antiquados. Que temos que nos adaptar. Temos que continuar lutando pela paridade, especialmente em outros setores onde isso não é inevitável. Acho que é fantástica a quantidade de transparência que existe agora, e acho que essa é a chave. Temos que ter certeza de que tudo está aberto e não há segredos nessas situações em que as pessoas são tratadas injustamente. Só poder estar neste momento pós-#MeToo e ver essa mudança e fazer parte dela é simplesmente fantástico.

Com ‘Rogue One’, você lutou para ser a mais bem paga. Você enfrentou alguma resistência?

Nesse caso, fui bem paga pelo que estava fazendo e fui bastante defendida. E isso também é um testemunho para as pessoas com quem trabalho e que também lutaram por mim. E eu tive muita sorte de não ser um problema.

O destino de sua personagem, Jyn Erso, não está claro no final de ‘Rogue One’. Houve alguma conversa sobre uma sequência?

Eu apenas continuo dizendo que a reencarnação é totalmente possível no universo de ‘Star Wars’. (Risos). Então, eu sinto que há negócios inacabados para Jyn, com certeza.

Ouvi dizer que a Disney tem uma opção para você fazer um segundo filme que continua se estendendo. Você gostaria de ver o retorno de Jyn – uma sequência, spinoff ou outra coisa?

Eu acho que seria fascinante vê-la ficando mais velha e mais sábia e lutando contra as forças das trevas no universo, que parecem ser muitas.

Em seu próximo filme da Netflix, ‘A Última Carta de Amor’, você e Shailene Woodley compartilham uma cena?

Não, na verdade, o que nos deixou muito tristes porque sou uma grande fã de Shailene por muitos e muitos anos. Infelizmente, nossos caminhos nunca se cruzam fisicamente. Eles se cruzam emocionalmente e espiritualmente. Foi um filme muito divertido de fazer e de fazer parte, e acho que as pessoas vão gostar de assisti-lo em uma tarde aconchegante com uma taça de vinho e um pouco de chocolate. É tudo de que precisamos no momento.

Diga o nome de um diretor com quem você está morrendo de vontade de trabalhar.

Noah Baumbach. Sempre adorei os seus filmes. ‘A Lula e a Baleia’. Ele é simplesmente sublime – a combinação de sua profundidade e humor. Eu amo Sofia Coppola. E Wes Anderson.

O que vem a seguir para você? Você tem coisas alinhadas?

Recentemente, abri uma produtora com o meu irmão, então estamos analisando vários projetos. Uma grande variedade de livros, histórias da vida real. Nosso modus operandi é encontrar histórias que sejam relevantes e que tenham um fascínio estranho para contar e uma necessidade premente de serem contadas. Se há algo positivo sobre esta pandemia, é que ela nos lembra que o tempo não é infinito.

Qual é um filme do passado que se encaixaria na sensibilidade da sua empresa?

O nosso filme favorito quando estávamos crescendo era ‘A Família Addams’. A minha mãe costumava nos levar ao Multiplex, que ficava a cerca de uma hora de nossa casa, e íamos ver ‘A Família Addams’, e isso nos impressionou muito. Então, com certeza estaremos olhando para projetos nesse sentido.

Fonte I Traduzido e Adaptado por: Laura I Equipe do FJBR

Prepare-se para o apocalíptico ‘The Midnight Sky’ de George Clooney
25.09.2020

Uma primeira olhada no novo filme do ator-diretor para a Netflix, no qual ele interpreta um cientista moribundo que enfrenta o fim do mundo: “Minha esposa ficou muito feliz quando terminei de filmar isso.

Algo deu errado. Ao longe, a Terra está em silêncio. Nuvens tóxicas giram em torno dela em espirais serpentinas. Nada parece estar vivo abaixo deles.

Em ‘The Midnight Sky‘, dirigido e estrelado por George Clooney, a tripulação da nave Aether da NASA está voltando para casa depois de explorar uma lua recém-descoberta de Júpiter, que acaba tendo uma atmosfera respirável e um clima habitável. Mas, à medida que emergem de um blecaute de comunicações, eles descobrem que a descoberta de um novo lar em potencial para os seres humanos foi ofuscada pela morte do antigo.

Quando as filmagens do filme terminaram em fevereiro, o mundo real era um lugar diferente. “Não houve a pandemia, e não tínhamos posto fogo em toda a Costa Oeste”, disse Clooney à Vanity Fair para esta primeira olhada no projeto, que a Netflix estreia em dezembro. “Quero dizer, a imagem que mostramos da Terra [no filme] não parece muito diferente das imagens de satélite da Costa Oeste agora.

É ficção científica”, acrescentou ele, “que infelizmente é menos ficcional à medida que avançamos ao longo dos dias.

No filme, que é baseado no romance ‘Good Morning, Midnight‘ de Lily Brooks-Dalton, a cascata de cataclismos que consumiu a Terra em 2049 não são especificadas, mas Clooney imagina que não sejam muito diferentes dos traumas que definiram 2020: doenças generalizadas, colapso ambiental, conflito político. “A doença do ódio e os elementos que vêm daí, batalhas e guerras – isso vem se infiltrando há algum tempo”, disse ele. “Há a tristeza [no filme] do que o homem é capaz de fazer ao homem e como isso pode ser facilmente tirado.

Há uma chance de salvação, mesmo no mundo mais terrível de ‘The Midnight Sky‘. “Eu queria que fosse sobre redenção de certa forma”, disse Clooney. “Eu queria que houvesse alguma esperança em uma história bastante sombria sobre o fim da humanidade.

Clooney interpreta Augustine Lofthouse, um cientista em uma remota estação de pesquisa ártica que pode ser o último homem na Terra. O astrônomo está morrendo de câncer e opta por permanecer no observatório coberto de neve para terminar os seus dias sozinho, da mesma forma como os viveu.

Exceto que ele não está realmente sozinho. Uma criança chamada Iris (Caoilinn Springall) se escondeu durante a evacuação do posto avançado e agora depende dele para sobreviver. “Ele não gostava de se proteger”, disse Clooney. “A menina é um problema para ele, porque agora ele realmente tem que cuidar de alguém.

Augustine também começa a sentir uma obrigação avassaladora de se aventurar fora de seu porto seguro para entrar em contato com a tripulação do Aether e enviar-lhes uma mensagem de aviso: Volte.

CLOONEY ENVELHECE

Clooney teve um papel coadjuvante na série ‘Catch-22‘ do ano passado, mas ele não estrelou um filme desde 2016. A aparência envelhecida e murcha de seu personagem aqui pode pegar o público desprevenido. “Não pareço muito bem”, disse ele. “Eu não tenho nem 60 anos ainda, mas o personagem tem 70. Infelizmente, estou olhando mais perto disso. Eu sempre pareci um pouco mais velho, mas agora eu realmente pareço ser. Eu diria que me pareço com meu pai, mas meu pai parece melhor do que eu.

Ele é mais conhecido por personagens bonitos e despreocupados em filmes como ‘Onze Homens e um Segredo‘ e ‘Amor Sem Escalas‘, mas Augustine carrega um coração pesado mais parecido com o trabalho de Clooney em ‘Um Homem Misterioso‘ ou ‘Syriana – A Indústria do Petróleo‘, sendo o último o que lhe rendeu um Oscar de Melhor Ator Coadjuvante em 2006. “Há uma quietude no personagem que eu realmente gostei”, disse ele. “Você precisa ter uma certa idade para doer de verdade. Quando você é mais jovem, não sentimos que já tivemos experiências de vida suficientes para que coisas como esta realmente machuquem o seu peito. E então, parecia que eu tinha a idade certa e era um bom momento para me mudar para esse tipo de papel.

Ele modelou o visual do personagem nas barbas de homem da montanha que muitos pesquisadores árticos cultivam (“É muito frio“, disse ele) e até mesmo deu a si mesmo um corte de cabelo personalizado: “Eu apenas peguei uma máquina de barbear e raspei todo o meu cabelo, e eu tentei fazer isso meio mal para que parecesse irregular. E eu tenho algumas cicatrizes bem funky na minha cabeça em geral. Já que ele está claramente morrendo de algo para o qual ele tem que fazer uma transfusão, que geralmente é algum tipo de câncer, era importante para mim adicionar alguns elementos para que eu não tivesse a aparência normal.

Muitas pessoas, nas primeiras cenas do filme, não perceberam que sou eu”, Clooney acrescentou com uma risada. “Eles ficaram tipo, ‘É você?’ Minha esposa ficou muito feliz quando terminei de filmar isso.

Para salvar a tripulação do Aether, Augustine e a garota enjeitada precisam se aventurar pelo ar cada vez mais tóxico e pela paisagem ártica em degelo para chegar a um observatório diferente que tenha uma rede de comunicações poderosa o suficiente para chegar à nave.

Infelizmente, a esperança que a nave representa para a humanidade é ínfima: ela transporta apenas cinco passageiros.

A especialista em missões Sully (Felicity Jones) está desesperada para restabelecer as comunicações com a Terra sem resposta, enquanto o comandante de voo de David Oyelowo, Adewole, considera conduzi-los para um espaço desconhecido como um atalho para casa. A engenheira de voo Maya (Tiffany Boone) deve manter a nave funcionando enquanto ela se choca com as nuvens de gelo rochoso. O piloto de Kyle Chandler, Mitchell, e o aerodinamicista de Demián Bichir, Sanchez, estão preocupados se o retorno é o caminho certo.

Os personagens do livro são diferentes”, disse Clooney. “O personagem de Kyle Chandler é uma espécie de jovem russo, e eu realmente queria que os personagens de Kyle e Demián fossem mais velhos. Eu queria que eles fossem os velhos de ‘Os Muppets’ na varanda. Eu queria que eles se divertissem um pouco de vez em quando. Para ser experimentado, mas não entrar em pânico.

The Midnight Sky‘ entrelaça dois enredos muito diferentes: a tripulação da NASA em rota de colisão com a Terra e o frágil cientista e a criança lutando contra elementos árticos brutais. “É uma coisa complicada”, disse Clooney sobre o filme, “porque metade é ‘Gravidade’ e a outra metade é ‘O Regresso’. E eles não são ajustes naturais, então foi um ato de equilíbrio constante.

A experiência de Clooney como um astronauta perdido no filme de Alfonso Cuarón de 2015 o ajudou a conceber algumas das sequências espaciais deste. “Uma das coisas que aprendi trabalhando com Alfonso sobre o espaço é que, uma vez que você está no tipo de mundo antigravitacional, não existe norte e sul ou leste ou oeste, porque ele não existe no espaço. Para cima não é para cima e para baixo não é para baixo“, disse ele. “Assim, a câmera pode estar de cabeça para baixo, os personagens podem estar de cabeça para baixo, e é difícil de fazer, porque você está constantemente girando a câmera e esperando não estar fazendo tanto que deixe todo mundo doente. Alfonso fez isso lindamente.

A VIDA ENCONTRA UM CAMINHO

O roteiro do filme é de Mark L. Smith, que coescreveu ‘O Regresso‘, mas Clooney propôs uma grande mudança na história envolvendo a personagem de Jones – embora tenha sido necessária por circunstâncias fora de seu controle.

Começamos a filmar as minhas cenas primeiro, porque estávamos na Islândia”, disse ele. “Cerca de duas semanas de filmagem, recebo um telefonema de Felicity, e ela diz, ‘Estou grávida’. E eu digo, ‘Ótimo! Parabéns!… Ah, merda.’ Então foi como, ‘Bem, o que vamos fazer?’

O primeiro plano era gravar tomadas alternadas de cada cena com uma dublê de corpo e, em seguida, trocar digitalmente a cabeça de Jones no corpo da substituta. Isso se provou caro em um filme que já tinha muitos efeitos visuais, mas era factível.

Fizemos isso por cerca de uma semana, e então ela sentiu que estava se esforçando tanto para não parecer que estava ganhando peso pelo bebê e outras coisas. E eu finalmente disse: ‘Quer saber? Você está grávida. As pessoas fazem sexo e você engravida. E vamos apenas incorporá-lo’”, disse Clooney.

Deixar a astronauta de Jones grávida no final de uma viagem espacial de dois anos acrescentou alguma tensão à tripulação da Aether. O personagem de Oyelowo é o pai.

Eles ainda são muito profissionais”, disse Clooney. “Ele ainda é o capitão do navio, e eles ainda dormem em seus próprios aposentos e ainda funcionam como adultos. Mas quando eles voltam para casa, eles têm algumas coisas com que lidar.

A adição trouxe alguma simetria temática para as histórias paralelas. O velho moribundo na Terra e os últimos vestígios de vida humana correndo pelo espaço agora têm um filho para considerar.

Cada um deles salvaguarda uma parte do futuro, que determinará se há um futuro ou não.

Fonte I Traduzido e Adaptado por: Laura I Equipe do FJBR

The-Midnight-Sky-First-Look-Embed03.jpg 7yUQZ4MnZu6OmesaE0wcqU.jpg The-Midnight-Sky-First-Look-Embed03.jpg 7yUQZ4MnZu6OmesaE0wcqU.jpg

Início > Filmes I Movies > The Midnight Sky (2020) > Stills

Jessica Swale é escolhida para reescrever roteiro de ‘O Lago dos Cisnes’, estrelado por Felicity Jones
13.08.2020

EXCLUSIVO: Jessica Swale foi escolhida para reescrever o roteiro de ‘O Lago dos Cisnes da Universal Pictures, baseado no balé de Pyotr Ilyich Tchaikovsky. Uma versão anterior do roteiro foi escrita por Kristina Lauren Anderson.

Felicity Jones está ligada para estrelar. Todd Lieberman e David Hoberman, da Mandeville Films, serão os produtores. Alex Young da Mandeville será o produtor executivo.

O vice-presidente executivo sênior de produção, Erik Baiers, e o diretor de desenvolvimento Lexi Barta, supervisionarão o projeto em nome da Universal.

Swale recentemente fez sua estreia como diretora no drama da Segunda Guerra Mundial, Summerland, que ela também escreveu. Esse filme foi lançado pela IFC Films e Lionsgate em 31 de julho com grande aclamação. Ela está atualmente trabalhando em um roteiro sem título para a Working Title, bem como em ‘Persuasion‘ para a Fox Searchlight e ‘Longbourn’ para o StudioCanal.

Swale é representada por Gersh e The Soho Agency.

Fonte

John Boyega, Felicity Jones, Jodie Turner-Smith e Jack Reynor estrelarão ‘Borderland’
06.07.2020

O ator de Star Wars, John Boyega, estrelará ao lado de Jodie Turner-Smith (“Queen & Slim“), Felicity Jones (“A Teoria de Tudo“) e Jack Reynor (“Midsommar“) no thriller “Borderland“, que será dirigido pelos Irmãos Guard (“The Uninvited“). O filme seguirá um soldado paramilitar irlandês que testemunha o assassinato de sua esposa por um sargento da SAS e transforma em uma missão pessoal ter a sua vingança.

O roteiro de Ronan Bennett, indicado ao BAFTA e vencedor do Royal Television Society Awards por “Top Boy“, e dos Irmãos Guard é inspirado no romance “The Road to Balcombe Street“, de Steven S. Moysey. Chris Coen, Rebecca Brown, Rocket Science e Piecrust Productions produzirão o filme, com Jones atuando como produtora executiva.

O longa será filmado nas localidades do Reino Unido no início de 2021. A Rocket Science está organizando financiamentos e administrando vendas internacionais. A Endeavor Content está co-representando os direitos nos EUA.

‘Borderland’ é um filme de perseguição alimentado por vingança, fundindo ação com uma mensagem poderosa para os nossos tempos“, disseram os Irmãos Guard. “Estamos empolgados com o fato do roteiro, tanto pelos personagens quanto pela trama, ter atraído um elenco de primeira linha“.

Boyega fez uma intervenção de alto nível em apoio ao movimento Black Lives Matter em junho, quando falou em uma manifestação em Londres contra a morte de George Floyd.

O filme de estreia de Thomas e Charles Guard, “The Uninvited“, arrecadou US$50 milhões em todo o mundo.

  • Fonte I Traduzido e Adaptado por: Laura I Equipe do FJBR